Sexta-feira
25 de Maio de 2018 - 

Acompanhe seu procecsso.

Solicite sua senha através do e-mail: wendelleloy@gmail.com

Notícias

Newsletter

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,64 3,64
EURO 4,27 4,27
PESO (ARG) 0,15 0,15

Previsão do tempo

Hoje - Teresina, PI

Máx
29ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Sábado - Teresina, PI

Máx
33ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Teresina, PI

Máx
34ºC
Min
22ºC
Poss. de Panc. de Ch

DECISÃO: TRF1 considera legal a compra de passagens aéreas por meio de credenciamento público

A 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) por unanimidade, reconheceu a legalidade, por parte da União, na utilização do procedimento de credenciamento público para a aquisição de passagens aéreas. A decisão foi tomada após a análise de recurso apresentado por uma empresa de turismo conta a sentença do Juízo da 16ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal no mesmo sentido. Em seu recurso, a apelante sustenta, em síntese, que o procedimento adotado pelo ente público de compra de passagens diretamente com as companhias aéreas, por intermédio de um edital de credenciamento, em que há a expressa vedação de intervenção das agências de turismo, viola o princípio da obrigatoriedade de licitação e resulta em prejuízos para os cofres públicos. Ao analisar o caso, o relator, desembargador federal Souza Prudente, destacou que o credenciamento público é uma ferramenta utilizada pela administração pública para a contratação direta, que consiste no chamamento de todos os interessados de um determinado setor para o fornecimento de bens e serviços, revelando-se como uma hipótese de inexigibilidade de licitação, estando amparado pelo art. 25 da Lei de Licitações, ante a inviabilidade de competição. O magistrado ressaltou ainda que “não há norma que obrigue a administração a contratar agências de viagens para a aquisição de passagens aéreas, de modo que cabe ao administrador, no exercício do seu poder discricionário, o dever de aferir a forma mais eficaz e menos onerosa de realizar as aquisições e contratar os serviços a serem prestados”. Diante do exposto, a Turma, nos termos do voto do relator, negou provimento à apelação da agência de turismo, mantendo a sentença em todos os seus termos. Processo nº: 0015571-06.2015.4.01.3400/DF Data de julgamento: 21/02/2018 Data de publicação: 05/03/2018 LC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
12/03/2018 (00:00)
Visitas no site:  14833
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia