Quarta-feira
17 de Outubro de 2018 - 

Acompanhe seu procecsso.

Solicite sua senha através do e-mail: wendelleloy@gmail.com

Notícias

Newsletter

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,71 3,71
EURO 4,30 4,30
PESO (ARG) 0,10 0,10

Previsão do tempo

Hoje - Teresina, PI

Máx
33ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Quinta-feira - Teresina, P...

Máx
37ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Sexta-feira - Teresina, PI

Máx
38ºC
Min
24ºC
Parcialmente Nublado

DECISÃO: Pessoa que serviu de “mula” em tráfico de drogas diferencia-se do traficante profissional e têm direito à redução de pena

Por unanimidade, a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) manteve a condenação de dois réus pela prática do crime de tráfico transnacional de drogas. Na 1ª Instância, os acusados foram condenados às penas de 5 anos e 10 meses de reclusão e 580 dias-multa. Consta da denúncia que os réus foram flagrados no interior de uma aeronave na qual viajaram de Porto Velho/RO para Brasília/DF, por agentes da Polícia Federal, transportando 6,5kg de cocaína escondida envolta em suas panturrilhas. Insatisfeitos com a condenação os apelantes recorreram ao Tribunal requerendo ambos, suas absolvições. Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora federal Mônica Sifuentes, destacou que a materialidade do crime tipificado na Lei nº 11.343/2006 ficou devidamente comprovada nos autos pela apreensão de 6,5 kg de cocaína, pelo auto de prisão em flagrante, pelo laudo preliminar de constatação e o laudo de perícia criminal, os quais concluíram se tratar de cocaína a substância apreendida. No entanto, segundo a magistrada, um dos réus possuía condições de redução da pena por ser réu primário e ter bons antecedentes. A relatora explicou que ficou evidenciado nos autos que o réu “serviu de mula para fazer o transporte de droga, muitas vezes recebendo valores irrisórios frente à mercadoria que transportam, e se sujeitam a tal prática por estarem suportando dificuldades financeiras”. A relatora assinalou que ao criar essa causa de redução de pena, “a lei nitidamente visou permitir que pessoas nessas condições não sofressem suas rigorosas sanções”. Assim, o réu que serviu de mula diferencia-se do traficante profissional, e merecedor do benefício de redução da pena previsto no art. 33, § 4º, da Lei n ] 11.343/2006, à razão de 1/3 (um terço). Processo nº: 0007811-06.2015.4.01.3400/DF Data de julgamento: 19/12/2017 LC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região
14/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  18206
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia